Logo Livro VIVO.png

Daniel
munduruku

Baú de ideias

daniel munduruku.png

Proposta pedagógica 3

Os alunos devem elaborar um texto sobre as memórias ligadas à percepção do seu crescimento. Fazer o exercício de rememorar suas vidas até este momento: Ver-se com quatro ou cinco anos, depois com sete ou oito e finalmente com sua idade atual. O que gostavam de fazer que não fazem mais? Quais pessoas lhes causavam/ causam admiração? Como passavam/ passam seus dias? O que tinha/ tem real importância para eles? Do que tinham/ têm medo? Músicas, comidas, passeios, amigos, relação com a família... Incentive os alunos a buscar inspiração em suas próprias histórias, e depois solicite seu envio ou entrega para você!

proposta pedagógica 2

A turma recebe brinquedos de origem indígena: algumas petecas. Caso a atividade seja desenvolvida remotamente, o professor envia a imagem contendo petecas que está contida aqui no site.

Primeiramente fazem a exploração do objeto a partir do brincar: em rodas não muito grandes, o objetivo coletivo é não deixar a peteca cair. Logo após esta vivência lúdica o professor contextualiza o brinquedo de maneira expositiva.

 

Na sequência realizam coletivamente a leitura de uma passagem do livro “Catando piolhos. Contando histórias”, que ilustra o início da passagem da infância para a adolescência e o processo de autonomia e individuação que esta etapa representa.

Para finalizar, fazem um bate papo com o intuito de construir diferentes camadas de entendimento do texto através de reflexões diversas.

Material:

Proposta pedagógica 1

O aluno deve procurar em casa um objeto que carrega consigo alguma memória familiar e procurar conhecer qual é a sua história: A quem ele pertenceu? Como chegou até ali? Porque não foi descartado, permanecendo guardado até hoje? E outras questões pertinentes.

 

Criar um texto narrativo cuja proposta é contar a história do objeto escolhido. Atribuir-lhe características humanas como emoções e  sensações, trazer riqueza de detalhes e utilizar-se tanto das informações dadas pela família quanto da própria criatividade, no intuito de tornar o enredo mais envolvente. Sua identidade deve ser mantida em segredo até o final da narrativa. Após o término do texto, incluir de forma destacada da estrutura finalmente qual é o seu objeto.

 

Cada aluno apresenta sua produção oralmente para a classe, que deve tentar adivinhar qual é o objeto descrito pelo colega. Logo em seguida, finalmente a relíquia é apresentada aos demais, através de sua presença física ou de uma fotografia.

 

Em função do grande número de alunos por turma este desafio pode ser trabalhado de duas formas:

 

1- Por amostragem. Apenas alguns trazem os objetos e o restante participa como receptores ativos tentando adivinhar e absorver a narrativa dos outros alunos.

2-Todos participam, porém a atividade perdura por vários dias. Cabe ao professor montar uma escala de apresentação.

 

Esta atividade pode ser adaptada para formato virtual facilmente através de encontros remotos.

proposta pedagógica 5

Observação Importante:

Querido professor. A proposta é que esse exercício tenha como foco as pessoas que antecederam a criança e de alguma forma são responsáveis por ela estar ali, naquele lugar do mundo. Laços sanguíneos não precisam ser a única referência. Assim, procurando respeitar a pluralidade familiar e as histórias dos alunos, é preciso muita sensibilidade de sua parte na condução dessa atividade.

 

Pedir aos alunos que façam uma pesquisa conversando com os  familiares sobre seus antepassados e origens: Quem são/ eram?, Onde nasceram? Onde moravam/ moram? Conhecer alguns episódios da sua história… e fazer quaisquer outras perguntas que forem pertinentes durante o bate-papo. Enquanto isso, anotar tudo o que acharem relevante.

 

Posteriormente, reler as anotações e adotar a seguinte prática: destacar uma pessoa por vez, atribuindo-lhe uma imagem real ou subjetiva - pode ser objeto, animal, paisagem, sensação, mistura de cores, etc.

 

Em seguida montar uma árvore genealógica utilizando as imagens atribuídas às pessoas que fizeram parte da sua família até hoje.

As imagens podem ser desenhadas pela própria criança, recortadas de revistas, impressas para este fim ou até mesmo preencherem esta atividade digitalmente, conforme escolha do professor e possibilidades de viabilização da instituição.

Material:

proposta pedagógica 4

Num dia comum, sem aviso prévio, convide seus alunos a dar uma volta pela área verde da instituição de ensino ou uma praça próxima. O objetivo é enxergar e sentir o invisível, sob o ponto de vista daquilo que está ali ao alcance, mas não notamos ou percebemos: animais, sons, vegetação, insetos, aromas, texturas. 

 

Observar e sentir tudo com muita qualidade. Depois deixá-los livres para brincar um pouco naquele espaço.

 

Em dado momento acomode a todos e faça a leitura do capítulo dois do livro “Catando piolhos, Contando histórias”: Brincar para Aprender. Em seguida conversem um pouco sobre a passagem.

 

Solicite aos alunos que coletem "tesouros'' como penas, pedras, sementes, gravetos, ramos, flores ou quaisquer outros indícios da natureza daquele local.

 

Já na sala de aula cada aluno coloca sobre sua carteira o material coletado e recebe um pedaço de argila, que irá moldar como uma bolacha. Devem aplicar os tesouros com pressão sobre um dos lados da cerâmica para que fiquem impressos na peça.

 

Depois de alguns dias, quando a cerâmica estiver completamente seca, retirar os tesouros das peças e devolvê-los à natureza no local da coleta.

 

Mais uma relíquia de vida construída, que talvez um dia até se quebre, mas com certeza já cumpriu seu papel deixando impresso a riqueza desse pequeno mergulho na natureza.

Material:

botao-bau.png